Pesquisar
25dez2023

1ª LEITURA – Is 9,1-6

Hoje, vamos ler um trechinho messiânico do 1o livro do profeta Isaías (1-39). A situação é de trevas. A
Assíria invadiu e dominou parte do Reino do Norte (Zabulon e Neftali). Aqui, entra uma projeção
messiânica do profeta Isaías, que, depois, o Segundo Testamento vai ler à luz de Jesus. Quer dizer, este
oráculo vai-se realizar com o nascimento, paixão, morte e ressurreição de Jesus.

O profeta fala de uma grande luz em meio às trevas, fala do fim da opressão do inimigo, o que vai gerar
uma grande alegria e festa no meio do povo, como acontece por ocasião da colheita ou pela distribuição
dos despojos de guerra. É a vitória dos pobres. São 3 os motivos da grande alegria: a destruição dos
instrumentos de morte (canga, carga e vara); a queima dos símbolos da violência ( a bota do soldado e o
manto ensanguentado); e, acima de tudo, o nascimento de um menino-rei, menino-esperança para o povo sofrido. Seu nome revela sua eficiência em relação ao povo: é “Conselheiro admirável” mais sábio que Salomão; é “Deus-forte”, portanto, superior a Moisés; é Príncipe da Paz, um líder capaz de restituir a
justiça e defender a vida do povo, criando para todos a paz messiânica como plenitude de todos os bens.
As consequências de tal administração só podem ser paz sem fim, solidez e justiça de modo duradouro.
Tudo isto é obra do amor zeloso do Senhor todo poderoso.

2ª LEITURA – Tt 2,11-14

Tito é um dos colaboradores de Paulo. A carta é escrita por volta do ano 65. Quer lembrar que a salvação
foi trazida por Jesus Cristo e quais são os princípios gerais do comportamento dos novos convertidos. Em
Jesus se manifesta a graça de Deus para a salvação de todos. Esta graça de Deus, que é a sua ação
salvífica, provoca em nós três atitudes: a ruptura com os esquemas desse mundo, a busca contínua de um
vida de equilíbrio, justiça e piedade e, finalmente, uma esperança que não decepciona, esperança de
participar na glória de nosso grande Deus e Salvador, Cristo Jesus, por ocasião de sua vinda. Por fim, o
autor define quem é Jesus e quem são os cristãos. Jesus é aquele que deu a vida por nós. Sua morte é vista como resgate, ou seja, como a compra de escravos no mercado. Fomos comprados por um preço muito alto: o sangue de Jesus crucificado. Somos, portanto um povo que agora pertence a Jesus, resgatado e purificado de toda maldade e ação pecaminosa. Daí o sentido da ruptura com a maldade do mundo. Não somos mais do mundo, mas ainda estamos no mundo mau. Nossa missão agora é praticar o bem, construir um mundo justo e fraterno.

EVANGELHO – Lc 2,1-14

As narrações de Lucas 1 e 2 são mais teológicas do que históricas. Tudo é narrado à luz da morte e
ressurreição de Jesus, ou seja, quando o evangelista escreve, ele já coloca nos episódios da infância toda a doutrina que a comunidade cristã acreditava sobre Jesus como o Filho de Deus, Salvador do mundo e
Senhor da história.

O Texto:

O texto de hoje procura enquadrar Jesus dentro da história, lembrando o decreto do Imperador Augusto
sobre o recenseamento de todo o Império Romano. E isto aconteceu, quando Quirino governava a Síria.
Então, Maria e José saíram de Nazaré e foram registrar-se em Belém. Como não havia lugar para eles
(aqui, teologicamente, Lucas já antecipa a rejeição que Jesus terá por parte dos judeus), eles se alojaram
numa gruta. Lá, Maria deu à luz Jesus e o colocou numa manjedoura. A Boa Nova do nascimento de
Jesus foi anunciada pelos anjos aos pastores. “Nasceu para vocês um Salvador, que é o Messias, o
Senhor”. Qual foi o sinal deixado pelo anjo? Um bebê num coxo de animais. Um bebê igual a todos os
bebês do mundo. Como Deus nos surpreende com seus projetos e revelações! De repente, apareceu uma
multidão de anjos cantando glórias a Deus nos céus e desejando paz aos homens na terra.

Mensagem:

A salvação de Deus não vem do trono dos poderosos, mas dos pobres e humildes. Jesus não nasce em
Roma, capital do Império Romano ou na grande Jerusalém, mas em Belém, aliás, na periferia de
Belém, pois não havia lugar para ele na cidade. Não nasce num berço de ouro, mas num coxo. Os
caminhos de Deus são diferentes dos caminhos dos homens! Jesus é o Salvador, o Messias, o Senhor,
mas não veio para dominar e explorar como os reis deste mundo. Veio para servir como o Bom
Pastor, por isso nasce não na capital, mas em Belém, cidade de Davi, rei-pastor.

Jesus já é marginalizado desde o seu nascimento, nasceu pobre e rejeitado, sem lugar. Os primeiros
beneficiários da salvação são os pobres na pessoa dos pastores, que eram rejeitados e marginalizados
por causa da sua conduta. Estes, de fato, não respeitavam as propriedades alheias, invadindo-as com
seus rebanhos. O texto diz expressamente: “nasceu para vocês um Salvador”; para eles, para os
pobres, os marginalizados, os de má fama. Jesus não veio para os autossuficientes e para os que se
achavam perfeitos, bons, cheios de saúde.

Qual foi o grande sinal de Deus para os pastores? Não tem nada de maravilhoso, de milagroso aos
olhos dos homens, apenas um menino pobre deitado num coxo. Quem é capaz de ver, hoje, Jesus nos
pequenos e marginalizados é capaz de perceber e acolher o grande mistério da Salvação de Deus.

Dom Emanuel Messias de Oliveira
Bispo diocesano de Caratinga

plugins premium WordPress Pular para o conteúdo